A Perfeita Boa Vontade de Deus

Somos incentivados a sermos sinceros suplicantes decididos a receber as graças do Espírito de Deus, porque temos a certeza de que ele está disposto a concedê-las.

 

Nosso Salvador nos encoraja a fazê-lo, quando usou a ilustração de um pai, que não pode ir contra a natureza e se livrar de suas afeições para negar atender às necessidades de seu filho de boa vontade, e não lhe dará para a sua subsistência uma pedra em lugar de pão, ou uma serpente no lugar de peixe.

 

Assim, se o homem que possui uma natureza terrena má, decaída no pecado, se apressa a atender de boa vontade às necessidades de seu filho, quanto mais Deus, que é o Pai perfeitamente amoroso, que possui uma natureza santa e bondosa, jamais deixará de dar o Espírito Santo e as graças do Espírito, àqueles que o desejarem como uma necessidade essencial a ser atendida em suas vidas.

 

Ainda que por vezes, Deus coloque a nossa busca do Espírito Santo, à prova, parecendo não estar disposto a não concedê-lo a nós, devemos agir como a mulher da parábola do Juiz Iníquo, que insistente e importunamente continuou lhe clamando que julgasse a sua causa com justiça. E a conclusão que nosso Senhor apresenta para esta parábola é a de que, se um juiz ímpio, que não age de bom grado, não deixou de atender àquela mulher pelo motivo de não continuar sendo importunado, diferentemente dele, Deus que tem prazer e boa vontade em nos atender, quando recorremos ao seu Trono de Graça, à busca da justiça eterna para as nossas vidas, justiça pela qual podemos ser transformados à imagem e semelhança de Jesus, jamais deixará de conceder isto àqueles que o buscarem com um coração realmente desejoso de obtê-lo, o que poderão demonstrar pela insistência em pedi-lo até que o tenham recebido.

 

Não devemos portanto, conceber ou atribuir a Deus qualquer inclinação para ser indiferente a nós, ou então para agir de má vontade para conosco. A Sua inclinação é sempre para fazer o bem, assim como uma mãe se aplica com cuidado e carinho para alimentar os seus filhos, e para satisfazer todas as suas necessidades, para que sejam saudáveis em tudo.

 

O Senhor colocou esta inclinação nos pais para que possamos entender por que sentimentos ele é dirigido na sua relação com os seus filhos.

 

E assim como os pais terrenos negam a seus filhos aquilo que possa ser prejudicial à sua saúde ou desenvolvimento pessoal, de igual modo nosso Pai celestial agirá em relação a nós, nos negando aquelas coisas que possam enfraquecer ou prejudicar o desenvolvimento do homem interior, que recebemos no novo nascimento (regeneração) do Espírito Santo.

 

Portanto tudo o que lhe pedirmos com as pirraças do velho homem, não pode estar contemplado na promessa, e seremos por Ele disciplinados, assim como os pais terrenos fazem com seus filhos pirracentos.

 

Busquemos as coisas do Espírito Santo, o reino de Deus e a sua justiça, e todas as nossas demais necessidades serão atendidas por Deus, na forma de acréscimo àquelas coisas espirituais que devemos buscar em primeiro lugar.

 

 

Pr Silvio Dutra